Blocos LGBTQI+ festejam diversidade na capital

Blocos de Carnaval em Brasília, de bandeira LGBTQI+, celebram em todos os dias da folia a diversidade contra o ódio e o preconceito.  No cenário brasiliense, o Bloco de Rua “Quem Chupou vai Chupar Mais” foi marcado por agressões no ano passado denunciadas por foliões.  Para 2019, ano em que o assédio sexual foi tipificado como crime, os blocos dessa bandeira e também de militância feminista povoam as ruas. Blocos como o “LGBT Virgens da Asa Norte”, o “LGBTS Folia”, o “Vai Virado Viado”, e o “Rebu O Bloco” sairão às ruas com promessas de alegria e segurança ao público. O ativista Richarlls Martins explica que a presença de LGBTs no Carnaval é “persistente”. Ele entende que a homofobia existente é fruto do sistema heteronormativo que vigora na sociedade brasileira. “Pra mim, esses espaços não são só de diversão, mas também de acolhimento,” disse Lucas Zaroni, que se considera militante da causa.

Bloco “Divinas Tetas” – Crédito: de Breno Galtier / Divulgação

“É muito importante que nós nos sintamos seguros.” Ele relaciona a agressividade contra LGBTQI+ e a vulnerabilidade das pessoas  ao “alto consumo de álcool e drogas” que ocorre durante o carnaval. “Isso também deixa os LGBTfóbicos mais agressivos. Estar entre os nossos e nossas nos permite curtir o carnaval com menos medo,” conclui. Já Daniel da Silva Moreira olha para o lado político dos blocos. “Acho que os blocos LGBTs são de extrema importância. É uma forma de buscar, sim, os nossos direitos, mas também serve para chamar a atenção de autoridades competentes para mortes e discriminações que acontecem”, disse.

A pauta da possível criminalização da homofobia chegou ao Judiciário. No mês passado, o ministro do STF Celso de Mello votou pela criminalização da homofobia nos mesmos moldes em que ocorre em relação ao racismo.  “Não é uma questão de direitos exclusivos, mas sim de uma lei que nos proteja. Mesmo assim, ainda existem casos absurdos de violências, agressões e mortes. Por isso, deveria ser aprovada uma lei que criminaliza a homofobia”, disse. 

Saiba mais sobre cultura e cidadania

Leia mais sobre a causa LGBTQI+

Existem, também, os LGBTQI+s que são contra a lei da criminalização da homofobia do jeito que foi proposta. Para a mulher trans Helena Ribeiro, a lei não será efetiva. “A princípio, quando eu soube que uma proposta para a criminalização da homofobia estava em tramitação, eu achei a coisa mais incrível do mundo. Fiquei feliz pela possibilidade de dar mais uns passos na nossa luta que parecia regredir com os últimos fatos,” ela explica. Ela descreve a proposta como “difusa, rasa, e ineficaz.” Diz também que a proposta só irá alimentar o sistema carcerário brasileiro. “A proposta não diz nada sobre medidas protetivas, redes de apoio ou segurança para aqueles que sofrem LGBTfobia. Para mim, criminalizar a homofobia dentro dos conformes que foram propostos é tapar o sol com a peneira”.

 

Já o antropólogo Vinícius Venâncio, também LGBTQI+, faz ressalvas apenas à parte da lei que equipara o crime de homofobia com o de racismo. “Esse assunto é sensível a uma parte considerável do movimento negro, que não consegue acionar a lei por causa do racismo estrutural”. Sem a conscientização social, especialmente a da polícia e a da Justiça, ele diz que não adianta criminalizar a homofobia; ela continuaria a existir por fazer parte das estruturas sociais. “Ainda nessa via, a criminalização da homofobia possivelmente afetará a parcela da população que segue representando os maiores índices de encarceramento: os negros (…) É uma expressão do ódio ao outro. Em uma sociedade na qual a heterossexualidade é a norma, tudo que desvia desse padrão é alvo de ódio, que pode ser disseminado simbólica ou fisicamente.”

Veja onde serão os blocos LGBTQI+s em Brasília

LGBTS Folia – O Bloco da Diversidade.

Data: 10/03/2019, Domingo
Hora: 13h
Local: Praça Cine Itapuã (Gama – DF)

Bloco da Pabllo

Data: 01/03/2019, Sexta
Hora: 22h30
Local: Nova área externa – Victoria Haus – SAAN, Quadra 01, Lote 930

Bloco Popular da Ursal

Data: 01/03/2019, Sexta
Hora: 16h
Local: Praça do Conic – Setor de Diversões Sul

CarnaMuseu

Data: De 01 a 05 de Março de 2019, Sexta a Terça
Hora: Confira a programação
Local: Museu Nacional da República – Eixo Monumental

Cuecão de Lycra

Data: 02/03/2019, Sábado
Hora: 22h
Local: Espaço Cultural Canteiro Central (SCS)

Rebu – O Bloco

Data: 02/03/2019, Sábado

Hora: 15h

Local: Estacionamento 4 – Parque da Cidade

Vai Virado Viado

Data: 03/03/2019, Sábado
Hora: 6h
Local: Conic, Setor de Diversões Sul

Por Luísa Silveira e Marília Silva

Imagens: Divulgação

Supervisão de Luiz Claudio Ferreira

 

Post Author: Agencia de Noticias Uniceub

Professores e estudantes do curso de jornalismo construindo um projeto de extensão para promover práticas e repensar rotinas de produção

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *