NBB: Bauru vence primeiro jogo da semifinal

O Paschoalotto/Bauru visitou o UniCEUB/Brasília e levou a melhor na primeira partida da semifinal por 89 a 72. Alex e Hettsheimeir foram os destaques do jogo, com 5 assistências e 21 pontos. Dono do melhor ataque do NBB, os paulistas agora terão dois duelos em casa para tentar garantir a vaga na final.

O técnico Demetrius Conrado avaliou a partida e espera que o time mantenha o ritmo. “Fizemos um bom jogo. Conseguimos anular algumas jogadas ofensivas do Brasília, mas temos a consciência que não há nada ganho”, destacou.

Bruno Savignani lamentou o resultado. “Se tivéssemos uma leitura melhor da situação, a gente poderia ter saído com a pontuação melhor. Precisamos parar o ataque deles”, frisou.

O jogo

O UniCEUB chegou embalado à semifinal depois de eliminar o Paulistano, detentor da melhor campanha na fase de classificação. Empurrado pela torcida, que compareceu em ótimo número, os brasilienses começaram com tudo. Com os ataques levando a melhor sobre as defesas, o quarto inicial foi decidido nos contra-ataques. De um lado, Guilherme Giovanonni e Deryk comandavam as jogadas ofensivas dos anfitriões. Do outro, Robert Day estava afiado nos arremessos de três pontos. A dois minutos do fim, quando o placar estava empatado em 11 a 11, o técnico Bruno Savignani colocou Jefferson em quadra. A mudança, porém, não surtiu efeito e os paulistas venceram o quarto inicial por 17 a 14.

Com a troca de quase todos os titulares, o Bauru só precisou de Alex para ampliar a vantagem (21/14). O Brabo, como é conhecido, foi destaque com onze pontos. Nervoso e sem a mesma intensidade do período anterior, o UniCEUB pecou nos arremessos de longa distância e abriu espaço na defesa. Na reta final, os bauruenses converteram quatro de seis arremessos da linha dos três pontos e foram para os vestiários com uma vantagem considerável: 41 a 30.

Após o intervalo, o UniCEUB voltou disposto a recuperar o prejuízo, mas passou a cometer muitas faltas. Experiente, o Bauru soube “cozinhar” o jogo e se aproveitar dos erros adversários. O pivô da seleção brasileira, Rafael Hettsheimeir, dominou o garrafão no terceiro quarto e liderou o ataque paulista. Deryk até tentou mudar o panorama com arremessos de fora, mas a reação não foi suficiente. A parcial, marcada pela reclamação contra a arbitragem por parte dos donos da casa, terminou em 68 a 53 para o Bauru.

Irritado com a arbitragem, o Brasília se desestabilizou em quadra. Guilherme Giovanonni perdeu a cabeça, xingou a árbitra e tomou duas faltas técnicas. Com isso, foi desqualificado e foi para o chuveiro mais cedo. Sem articulação e com dificuldades para organizar as jogadas, os tricampeões do NBB não fizeram valer o mando de quadra e o apoio do torcedor. Placar final: 89 a 72.

Torcida

IMG_22541-NNN-Copy
Torcida bauruense veio de São Paulo e marcou presença no primeiro jogo semifinal / Foto: Clara Sasse

Mesmo jogando na capital federal, o Bauru contou com o apoio de torcedores que vieram de São Paulo. A empresária Isa Orte, 54 anos, é uma das responsáveis pela Fúria Bauru, organizada criada em 1999. “Viajamos para cá (Brasília) no dia do jogo. Mas não é a primeira vez que saímos de São Paulo para torcer”, disse. Marido de Isa, Jair Orte, 60 anos, elogiou a recepção da torcida brasiliense. “O basquete é um esporte apaixonante e une as pessoas. Espero que a torcida lote o Panela de Pressão e incentive”, completou.

Por Ana Luiza Campos, Clara Sasse e Tácido Pries.

Fotos: Clara Sasse

Post Author: Agencia de Noticias Uniceub

Professores e estudantes do curso de jornalismo construindo um projeto de extensão para promover práticas e repensar rotinas de produção