Dalí – A Divina Comédia: arte e literatura encontram-se em “aula” na Caixa Cultural

                                                                                                Caixa Cultural apresenta obras que fogem dos clichês da arte produzida por Salvador Dalí

Arte e literatura estão combinadas, em grande estilo, na galeria da Caixa Cultural, em Brasília.  Dalí – A Divina Comédia, exposição organizada pelo curador Rodolfo de Athayde, conta com 100 litogravuras feitas a partir de aquarelas originais do artista espanhol Salvador Dalí e que tem como tema principal a obra literária do italiano Dante Alighieri.  “A exposição permite algo interessante, apresenta ao grande público uma espécie de aula, fala de literatura e fala de arte através de dois símbolos. Especialmente pela temática”, diz o curador .  

O pintor surrealista trouxe para as telas o “Inferno”, o “Purgatório” e o “Paraíso” descritas pelo escritor. Os admiradores podem conferir as gravuras até o dia 4 de março do ano que vem. O pintor, que respeita a transição do poema, traz os círculos infernais, o centro da Terra, o encontro com Lúcifer, o reencontro com Beatriz, a mulher amada e idealizada, e ainda, uma versão particular do Paraíso, exaltando sua espiritualidade.

A Divina Comédia já havia sido retratada por outros artistas máximos da história da Arte. Os trabalhos mais conhecidos são os de Gustave Doré  e Sandro Boticcieli, cada um com sua especificidade e aptidão técnica, seguindo a narrativa de Dante. Para o professor de história da arte Marcelo Mari, a mostra reúne uma coleção de obras que para até quem não está envolvido com arte ou não conhece o livro poderá identificar traços clássicos do artista. “Dalí trabalha com grande densidade na imagem surreal, traço recorrente da produção dele”.

Salvador Dalí é considerado artista de grande personalidade e controverso. Participante do movimento surrealista, ele “brinca” com aspectos do inconsciente e do imaginário de forma intensa e com força pictórica. Juntamente com André Breton, figura máxima do movimento surrealista,  Dalí apresentava questões que se adequavam à época, mas ao mesmo tempo traziam pontos ainda não tão explorados e que eram postas em diálogo com áreas da psicanálise.   O surrealismo é, de fato, um momento para a história da arte em que o sonho, a paixão, os desejos, o inconsciente  e os instintos se manifestam de maneira  a propor um novo olhar sobre questões morais, políticas, científicas e filosóficas.

 

De acordo com o curador da mostra, a exposição apresentada pela Caixa Cultural traz um dos momentos mais espiritualizados da produção do artista, com grande independência da dramaticidade. Com um plano de fundo carregado de mensagens místicas nos ambientes criados por Dante, ele passeia por três linguagens pictóricas que conversam e que representam os momentos de passagem de viagem ao paraíso. A exposição é própria para aqueles que querem conhecer os artistas pela primeira vez, para aqueles que já os conhecem e que verão na seleção de obras. “A proposta é apresentar o estudo de Dalí sobre A Divina Comédia, mostrando as técnicas do autor ao longo de todo o tempo que dedicou à narrativa do livro”, afirma Rodolfo de Athayde.

 

Dali: A Divina Comédia

De 15 de novembro até o dia 4 de março de 2018

Local: Caixa Cultural Brasília – Galeria Vitrine  (Setor Bancário Sul Qd. 4)

Visitação: De terça a domingo, das 9h às 21h

Informações: 3206-9448\9449

Entrada franca

Classificação livre

 

 

 

Por Giovanna Pereira e Gabriel Lima 

*Sob supervisão de Luiz Cláudio Ferreira

 

Post Author: Agencia de Noticias Uniceub

Professores e estudantes do curso de jornalismo construindo um projeto de extensão para promover práticas e repensar rotinas de produção

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *