Mostra gratuita no CCBB exibe 48 curtas brasilienses

Entre os dias 1º e 9 de junho, a capital federal receberá no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) a segunda edição do festival de curtas-metragens “Brasília em Plano Aberto”. A mostra promovida em conjunto com o Fundo de Apoio à Cultura (FAC) exibirá, ao todo, 48 obras locais e abordará temas como minorias, resistência e opressão. O acesso é gratuito.

Confira a programação da mostra

O festival é resultado de uma parceria  entre os curadores Wol Nunnes e Maurício Witczak. Inicialmente, a dupla organizava um projeto semanal em que curtas e longas-metragens nacionais eram exibidos dentro de um shopping. A partir dessa iniciativa, Wol e Maurício conseguiram juntar um acervo com mais de quinhentas obras, no qual  maioria era brasiliense.

Filme Fragmentos, de Antonio Balbino, está na programação. Foto: Reprodução

Posteriormente, a curadora propôs a ideia de realizar um evento que seria o festival “Brasília em Plano aberto”. “A parceria amadureceu após a Wol ter a ideia de realizar um evento grandioso, em que seriam reunidas diferentes gerações do cinema brasiliense”, relata Maurício Witczak. O intuito era juntar cineastas experientes com jovens produtores por meio de uma curadoria. “Aí surgiu a ideia dessa mistura. Esse foi o grande insight que a Wol teve. E eu falei ‘nossa! É isso. Vamos comprar essa ideia’”, complementa o diretor e roteirista.

A mostra destaca a importância que o cinema tem na representação da cultura e dos hábitos sociais, além de ser um poderoso veículo de reprodução de concepções e ideais. Para isso, foram escolhidas produções que valorizam a identidade de Brasília. “Além da valorização do cenário cinematográfico brasiliense, o propósito consiste em criar um público que aprecie e abrace as produções locais, além de conhecer a filmografia dos últimos 40 anos aqui da capital federal”, declara Maurício Witczak.

A mostra de curtas destaca a importância que o cinema tem na representação da cultura e dos hábitos sociais, além de ser um poderoso veículo de reprodução de concepções e ideais. Para isso, foram escolhidas produções que valorizam a identidade de Brasília. “Além da valorização do cenário cinematográfico brasiliense, o propósito consiste em criar um público que aprecie e abrace as produções locais, além de conhecer a filmografia dos últimos 40 anos aqui da capital federal”, declara Maurício.

Homenagem

O cineasta, roteirista e fotógrafo Jorge Bodanzky estará presente no festival para ser homenageado. Maurício enfatiza a importância do cineasta em relação ao cenário brasiliense. “O Bodanzky tem uma ligação com Brasília, mas também é mundialmente conhecido por suas produções tanto ficcionais, como documentários, quanto híbridas. É um cara que passeia pelos gêneros. Ele marcou esse período todo do cinema feito no Brasil, por volta dos anos 60 para frente. A gente vai passar “Os caminhos de Valderez”, que é um curta rodado por ele aqui na capital federal durante o período em que a UnB foi fechada em função da ditadura.”

Ficha técnica

Temas: cine memória, resistência(s), opressão, minorias, risos, (su)realidades, relacionamentos e pluralidades     

Local: Centro Cultural Banco do Brasil

Dias: 1º a 9 de junho (exceto dia 03)

Horário: a partir das 19h

Ingressos: entrada gratuita

Por João Paulo de Brito

Sob supervisão de Luiz Cláudio Ferreira

 

Post Author: João Paulo de Brito