Com Bolsonaro e Moro na torcida, Flamengo vence CSA por 2 a 0 em Brasília

Por Ricardo Ribeiro e Vitoria Von Bentzeen

O Flamengo venceu o CSA por 2 a 0, nesta quarta (12), em partida válida pela 9ª rodada do Brasileirão no Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília. Com a vitória, o rubro negro alcança a 3ª colocação no campeonato. O CSA permanece na vice-lanterna.

O CSA abriu mão de realizar a partida em casa, e vendeu o mando de campo para que o confronto fosse realizado no Estádio Nacional Mané Garrincha.

Com isso, teve um grande adversário pela frente além de um dos elencos mais caros do futebol brasileiro: a torcida rubro negra na capital federal. Antes do jogo, um mosaico com cerca de 15 mil peças foi preparado como forma de apoio à equipe carioca.

Cerca de 30 minutos antes do início da partida, a torcida notou a presença do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Justiça, Sérgio Moro, que assistiram à partida da tribuna de honra do estádio. Eles ouviram gritos de apoio e repúdio.

O jogo
A grande diferença dos elencos das duas equipes, assim como suas respectivas posições na tabela sugeriam um amplo favoritismo para o Flamengo. Mas nos primeiros quatros minutos de jogo, foi o CSA que se lançou ao ataque, com quatro chances criadas, duas originadas por escanteios.

Na melhor delas, o lateral esquerdo Carlinhos entrou na área pelo lado direito e finalizou por cima da meta defendida pelo goleiro César.

O jogo seguiu acelerado, e logo o rubro negro respondeu. Primeiro com um rápido contra-ataque comandado por Everton Ribeiro, que lançou Vitinho na linha de fundo dentro da pequena área.

O camisa 11 cruzou rasteiro para Gabigol, que finalizou com perigo, mas sem muita força. Na sequência, Everton Ribeiro cobrou escanteio na cabeça de Vitinho, mas a bola saiu pela lateral do gol de Jordi.

Nos minutos seguintes, o Flamengo trocou inúmeros passes no campo de ataque, mas só aos 19 minutos conseguiu levar perigo ao gol adversário: Vitinho chutou forte da entrada da área e, por pouco. não abriu o placar.

Os cariocas concentraram suas jogadas pelas pontas do ataque. Foi assim que, após tabelar com Renê, Everton Ribeiro mais uma vez foi à linha de fundo e cruzou. O goleiro alagoano espalmou nos pés do lateral esquerdo Renê, que chutou mal.

Quatro minutos depois, a melhor chance do primeiro tempo veio dos pés de Vitinho. O atacante pegou o rebote dentro da pequena área de um chute de Everton Ribeiro, mas o goleiro Jordi se recuperou e defendeu novamente.

A primeira participação do VAR foi aos 31 minutos. Apodi disputou disputou uma bola dentro da área de ataque e chutou, mas a bola parou em Willian Arão. A reclamação dos alagoanos foi flagrante e rapidamente todos os jogadores pediram a revisão do árbitro de vídeo. Assim foi feito, e depois de 5min31s, o árbitro de campo Douglas Marques optou por não marcar a penalidade.

Aos 42 minutos, o Flamengo saiu em rápido ataque: Gabigol colocou Bruno Henrique cara a cara com Jordi. O camisa 27 driblou o goleiro e ficou sem ângulo, mas mesmo assim chutou. O zagueiro Leandro Souza tirou em cima da linha para escanteio.

Logo na sequência, a tabela se inverteu, e foi a vez de Gabigol tentar a cavadinha na saída do goleiro, porém sem sucesso. A resposta do CSA veio no minuto seguinte: Didira arriscou um bom chute de perna esquerda da entrada da área, mas César encaixou.

A essa altura, o treinador Marcelo Salles, do Flamengo, optou por uma estratégia diferente, e pediu a seus jogadores que tentassem as jogadas pelo meio. Quase todas passaram pelos pés do camisa 7 e capitão Everton Ribeiro.

O segundo tempo começou bom para o Flamengo. Antes mesmo do primeiro minuto, Vitinho cruzou da direita para Gabigol, que dentro da área pegou de primeira, mas o goleiro Jordi só acompanhou a bola sair por cima da meta alagoana.

O ímpeto era apenas inicial. Foi só depois de 10 minutos que a torcida do CSA teve motivos para se assustar, porque Rodinei e Vitinho trocaram passes na intermediária, até o camisa 11 chutar rasteiro uma bola que saiu pelo lado direito do gol adversário.

Dois minutos depois, o lance se repetiu e Jordi pulou para fazer boa defesa. Na casa dos 14 minutos, a posse de bola do flamengo passava dos 90% (no segundo tempo), e em uma das cinco poucas chances do CSA na partida, Jonatan Gomez obrigou a Cesar fazer uma defesa complicada, após chutar colocado no canto direito.

A resposta veio na mesma moeda: Everton Ribeiro, dessa vez pelo lado direito, chutou de fora da área e conseguiu um escanteio, após Jordi espalmar. Foi na cobrança deste, que até então era o 10º escanteio da equipe no jogo que o Flamengo abriu o placar.

Para a alegria dos 37 mil flamenguistas, Rodinei fez a cobrança curta para Everton Ribeiro, que cruzou na cabeça de Vitinho. O camisa onze cabeceou no ângulo esquerdo do goleiro. 1×0 Flamengo aos 20 minutos da segunda etapa.

Os alagoanos sentiram o golpe, e o Flamengo precisou de mais 10 minutos para ampliar: Wiliian Arão invadiu a área pela direita, driblou dois zagueiros e chutou fraco. Mesmo assim, o arqueiro do CSA deu rebote na cabeça de Gabigol, que só teve o trabalho de escorar de dentro da pequena área para o gol vazio.

Até o fim da partida, o treinador carioca Marcelo Salles fez algumas mudanças para dar rotatividade ao elenco: Berrío, Lincoln e João Lucas entraram nos lugares de Bruno Henrique, Gabigol e Rodinei, respectivamente. Placar final: 2 a 0 a favor do flamengo.

FICHA TÉCNICA
CSA/AL
Jordi, Celsinho, Gerson, Leandro Souza e Carlinhos; Nilton, Jonatan Gómez, Apodi e Didira; Victor Paraíba (Gersinho) e Cassiano. Técnico: Marcelo Cabo
Cartões amarelos: Didira, Jonatan Gomez

FLAMENGO
César, Rodinei (João Lucas), Matheus Thuler, Rodrigo Caio e Renê; Willian Arão, Piris da Motta e Everton Ribeiro; Vitinho, Bruno Henrique (Lincoln) e Gabigol (Berrío). Técnico: Marcello Salles
Cartões amarelos: Gabigol

Árbitro: Douglas Marques das Flores-SP
A1: Emerson Augusto de Carvalho-SP
A2: Miguel Cataneo Ribeiro da Costa-SP
Quarto árbitro: Vanderlei Soares/DF
Público: 37.673
Renda: R$ 2.949.665,00.

Confira o lance a lance

 

Post Author: Agencia de Noticias Uniceub

Professores e estudantes do curso de jornalismo construindo um projeto de extensão para promover práticas e repensar rotinas de produção