Crise afeta mais na alimentação de famílias em vulnerabilidade social, diz nutricionista

A crise econômica potencializa a chegada de alimentos não-saudáveis às famílias que estão em condição de mais vulnerabilidade social e financeira. Segundo a nutricionista e professora Maína Pereira, esses alimentos são comparáveis com o fast fashion – sistema de produção, consumo e descarte rápido de roupas -, onde todo o processo de produção mais barato gera impacto no meio ambiente, no âmbito social ou no econômico.

ACOMPANHE ENTREVISTA COMPLETA NO PROGRAMA TV UNICEUB (TODOS OS DOMINGOS, ÀS 10H, NA TV BAND)

“Comer é um ato político”, explica a professora. Segundo ela, a alimentação das pessoas depende de uma série de fatores que define a escolha dos alimentos, desde o acesso à educação até o poder de compra. Baseada nisso, a professora cita, como uma das melhores opções para o combate à má alimentação infantil, o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), que oferta ações de educação alimentar e nutricional, além de levar alimentos para as crianças nas escolas públicas.

“É muito mais fácil chegar um alimento não saudável para essas pessoas”, afirma mestre em nutrição humana, Maína Pereira

A Organização Mundial da Saúde (OMS) prevê que em oito anos o número de crianças obesas ou com sobrepeso chegará a 75 milhões. Para se ter uma ideia, em 4 décadas houve um crescimento de 1000% da obesidade infantil. Para Maína, vivemos em uma sociedade obesogênica, onde o aumento de alimentos não saudáveis, o sedentarismo, a influência da mídia e de instituições como família e escola levam à prática da má alimentação. Isso eleva os riscos do desenvolvimento precoce de doenças como diabetes, colesterol alto, hipertensão e até mesmo câncer.

O direito à alimentação

 “A alimentação é um direito”

Somente em 2010, por meio da Emenda Constitucional nº64, a alimentação foi incluída no artigo 6º da Constituição Federal, onde constam os direitos sociais do povo brasileiro. Para Maína, isso os possibilita à exigir esse direito e questionar a falta de políticas públicas para garantir a alimentação. “Alimentação é um direito do povo”, afirma.

Como uma solução alternativa, a professora sugere, para essas famílias carentes, a produção familiar do alimento como a plantação de hortas, por exemplo. “A produção independente seria uma saída para essas famílias carentes”, afirma.

 Por Bruno Santa Rita e Ana Ligia*

Sob supervisão de Luiz Claudio Ferreira

Post Author: Agencia de Noticias Uniceub

Professores e estudantes do curso de jornalismo construindo um projeto de extensão para promover práticas e repensar rotinas de produção

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *