Câmara aprova lei que usa animais para tratamentos de doenças

A Câmara Legislativa aprovou no último mês o projeto de lei n° 333/2019, que permite a entrada de animais domésticos e de estimação em asilos, creches e unidades destinadas à internação e tratamento de pessoas com transtornos mentais, dependentes químicos e população em situação de rua. O autor da proposta é o deputado distrital João Cardoso.

Imagem: divulgação

De acordo com o parloamentar, o objetivo da lei é que os animais possam levar alegria, bem-estar e qualidade de vida para as pessoas. “É sabido que o contato com animais traz diversos benefícios para quem passa por tratamentos de saúde. A Terapia Assistida por Animais, a chamada de Pet terapia, tem se popularizado pela comprovação de sua eficácia e, por isso, este estímulo para quem precisa”, afirma João Cardoso.

Terapia Assistida por Animais (TAA) é um método alternativo de ajuda terapêutica que utiliza os animais como forma de tratamento, geralmente são usados cachorros e cavalos. O objetivo é melhorar a função social, emocional e cognitiva dos pacientes . Diversos estudos documentam os efeitos positivos da TAA.

A ONG Pet Amigo atua em Brasília realizando Intervenções Assistida por Animais, junto a instituições públicas e privadas como escolas, asilos, hospitais etc. Tem como objetivo promover a interação entre seres humanos e animais, proporcionando benefícios terapêuticos para a saúde física, emocional e mental. “A Pet Amigo surgiu em 2016 e nós fazemos Intervenções assistidas por animais. A gente promove interações entre os pacientes e os cães terapeutas para que eles tenham uma melhora na sua qualidade de vida, para que eles possam melhorar de forma mais rápida, tirar um pouco eles desse ambiente hospitalar. Os benefícios que a gente percebe no dia a dia são melhora de humor, diminui depressão, pacientes idosos que ficam internados em asilos diminuem a percepção de isolamento, eles conversam mais, diminuição de percepção de dor. A gente percebe que muitas crianças que estão relutantes em fazer algum procedimento, geralmente deixam quando estamos presentes.” disse Vanessa Spagnolo, presidente da Pet Amigo.

Texto: Vitoria Von Bentzeen

Supervisão de Luiz Claudio Ferreira

Post Author: Vitória Von Bentzeen