Em jogo com 4 prorrogações, Cerrado perde para o Fortaleza

Em jogo histórico de quatro prorrogações, o Fortaleza venceu o Cerrado por 126 a 122, neste domingo (9), no ginásio da ASCEB, em Brasília. No confronto válido pelo Novo Basquete Brasil (NBB), as equipes encararam 60 minutos de jogo em decorrência dos tempos extras, um recorde da liga, até o jogo finalmente ser decidido nos minutos finais.

Com o triunfo, os cearenses ultrapassaram os candangos e entraram na zona de classificação, atualmente na 11ª posição, enquanto que os candangos caíram para a 14ª. Por sua vez, o time da casa, derrotado em sua primeira partida de 2022, caiu para 14º após o quarto revés consecutivo.

A equipe de Bruno Lopes teve derrota amarga no primeiro jogo do ano

Destaques

Entre os destaques dos vencedores, o cestinha do jogo, Nehemias Morillo, com 32 pontos, ao lado de Davi Rossetto com 31, Ralfi Ansaloni com 23 e Mãozinha, com 13 pontos e impressionantes 24 rebotes, 15 deles ofensivos. Pelo Cerrado, Ruan teve 26 pontos, 14 rebotes e seis tocos, e Stefano Pierotti fez 28 pontos e junto de 8 assistências.

O jogo

No início da partida, o Carcalaion teve dificuldade para converter seus arremessos de quadra, com somente 5 acertos em 18 tentativas, muito em decorrência da defesa dos candangos, que por sua vez viram Ruan anotar 10 pontos logo nos primeiros minutos. Apesar do cenário, o Fortaleza foi seis vezes a linha de lance livre, enquanto o Cerrado não foi nenhuma, e, desta forma, conseguiu encostar no placar, que marcava 20 a 17 para os donos da casa ao fim do período.

Já no segundo quarto, o jogo foi marcado pelos estrangeiros. Do lado cearense, o técnico Alberto Bial colocou o dominicano Nehemias Morillo, que veio do banco e anotou 11 dos 16 pontos da equipe no quarto. Ainda assim, não foi o suficiente para ultrapassar os brasilienses, que contaram com os 8 pontos do americano Kenny Dawkins para aumentar a vantagem e ir para os vestiários vencendo por 41 a 33. 

Recuperação do Fortaleza

Na volta do intervalo, o jogo parecia se encaminhar para uma resolução, já que o Fortaleza demorou mais de três minutos para acertar seu primeiro arremesso de quadra, enquanto o Cerrado disparava na frente.

Entretanto, o jogador Carcalaion anotou uma sequência de 12 a 2, se recuperou no período e encostou de vez no placar, vencendo a parcial por 23 a 18, o que encurtou a diferença para somente três pontos antes dos 10 minutos finais, quando o placar marcava 59 a 56 para os donos da casa.

Equilíbrio no final

No quarto derradeiro, as duas equipes trocaram cestas e boas ações defensivas até os últimos instantes, quando a partida tomou contornos dramáticos. Com menos de 30 segundos para o fim, Serjão deu toco em Davi e manteve o Cerrado com 4 pontos de vantagem e tranquilo para a vitória, até que Nehemias acertou dois lances livres e, na reposição de bola, Mãozinha conseguiu a roubada e serviu Holloway para empatar o jogo pelo Fortaleza com apenas 10 segundos restando. Assim, a partida se encaminhou para a prorrogação após empate em 78 a 78 no tempo normal.

4 prorrogações, chances e cansaço

Nos primeiros 5 minutos extras, o Cerrado manteve o aproveitamento positivo na linha de três pontos (3 de 4) e conseguiu capitalizar dessa forma nos momentos importantes, porém o Fortaleza sempre respondia com Davi, que anotou 6 pontos e manteve o confronto disputado.

Nos últimos segundos, os cearenses desperdiçaram três lances livres e deram a chance para os donos da casa empatarem em 92 a 92 com Pierotti, que converteu dois arremessos livres e levou o jogo para mais um tempo adicional.

Após 45 minutos de partida, o duelo pareceu se encaminhar para uma resolução, quando o cansaço levou a melhor sobre os donos da casa, que desperdiçaram chances livres e viram o Carcalaion tomar a dianteira por 5 pontos com poucos segundos restando. Porém, o Fortaleza errou lances livres importantes e viu Pierotti acertar três seguidos para empatar o jogo. Na sequência, Ruan deu toco em Davi e manteve a igualdade no placar, 103 a 103.

Na terceira prorrogação, a partida perdeu a emoção dos períodos anteriores e se tornou cansativa, com os dois lados já exaustos e com dificuldade para jogar. Assim, em mais 5 minutos de empate, o confronto seguiu igual em 112 a 112 e adentrou mais uma extensão.

Finalmente, no quarto tempo extra, o jogo, que parecia interminável, terminou. Com muitos jogadores pendurados por falta, as equipes precisaram colocar outros reservas em quadra. Pelos candangos, que perderam peças importantes, diversos jovens entraram, enquanto pelos cearenses estavam jogadores mais experientes, como o americano Desmond Holloway, que continuou em quadra e conduziu a equipe ao triunfo, com 7 pontos. Enfim, vitória para o Fortaleza, 126 a 122.

Os jogadores do Fortaleza e o técnico Alberto Bial comemoraram com a torcida a vitória histórica (Foto: Arthur Ribeiro)

Pós jogo

No penúltimo jogo do primeiro turno, o Fortaleza levou a melhor no confronto direto por uma vaga entre os 12 primeiros. Na penúltima partida do primeiro turno, a equipe demonstrou força na vitória dramática e aumentou a confiança antes da pausa para a Copa Super 8, na qual os oito primeiros da liga se classificam para o torneio de mata-mata, porém nem os candangos nem os cearenses passaram.

Do lado do Cerrado, a derrota dolorida, na qual chegaram a vencer por 4 pontos com poucos segundos para o fim, foi um balde de água fria na primeira partida do ano e fez a equipe sair da zona de classificação para a pós-temporada. Ainda assim, o jogo coletivo e o jovem Ruan continuam em destaque e o sonho de ir aos playoffs segue vivo.

Próximos jogos

Ambas as equipes terão apenas um dia completo para descansar, já que entram em quadra novamente na próxima terça-feira (11), pela última partida do primeiro turno. Assim, o Cerrado recebe a Unifacisa às 20h30 no ginásio da ASCEB, enquanto o Fortaleza encara a outra equipe da capital, o Brasília Basquete, às 20h na Arena BRB/Nilson Nelson.

Por Arthur Ribeiro (texto e fotos)

Supervisão de Luiz Claudio Ferreira

Post Author: Agencia de Noticias Uniceub

Professores e estudantes do curso de jornalismo construindo um projeto de extensão para promover práticas e repensar rotinas de produção