Melasma: como pode surgir e quais são os melhores tratamentos

A enfermeira Anna Christina de Carvalho Bezerra, 45, conta que manchas no rosto surgiram por volta dos 25 anos de idade por conta da luz solar, mas só buscou tratamento depois da primeira gestação (em 2007). “Fiz acompanhamento com dermatologista e o resultado foi muito bom pois as manchas não evoluíram. Ainda tenho manchas mas são bem claras. Faço tratamento sempre que posso pois tenho medo de aumentar ou escurecer as manchas”.

Essas manchas têm nome: melasma, uma doença crônica que evidencia o surgimento de manchas escuras na pele. Geralmente é comum aparecer na face, mas pode surgir também pelo resto do corpo como braços, pescoço e colo. As mulheres são mais afetadas, mas em alguns casos podendo ser também vistas em homens.

Segundo uma pesquisa da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp) a estimativa é de que o melasma aparece de 15% a 35% das mulheres brasileiras. Costuma surgir por volta dos 25 anos e pode ficar mais controlado após a menopausa.  

Não existe um motivo específico para que em  algumas pessoas apareça o melasma e outras não. Isso pode acontecer por diversos fatores como uso de anticoncepcionais, estresse,  gravidez predisposição genética e principalmente, à exposição à luz solar ultravioleta e também à luz visível.

Existe cura?

Vale ressaltar que não existe cura para o melasma, os tratamentos são direcionados com o uso de medicamentos contra raios ultravioleta e à luz visível, clareadores, anti envelhecimento, e uma boa alimentação, mantendo também o sono em dia.

Para a Esteta, cosmetóloga e micropigmentadora, Melissa Silva, 28, a pandemia pode influenciar no aparecimento de manchas. “Em tempos de pandemia onde as pessoas estavam mais em casa, a exposição a luzes artificiais, como celulares e computadores, se intensificaram. E, ao contrário do que muitos pensam, essas luzes também contribuem para o melasma. Ou seja, as pessoas podem ter diminuído a exposição solar, mas aumentaram o uso de luzes artificiais, sendo este, também, um fator de risco”.

Um dos fatores que mais podem piorar o melasma são os tratamentos caseiros como o uso de limão e bicarbonato e microagulhamento caseiro. “É estranho pensar assim, mas o melasma é como um mecanismo de defesa do corpo. Se ele se sente “ameaçado”, ele tende a aumentar a hiperpigmentação” explica.

 

Por Tamires Rodrigues
Supervisão de Luiz Claudio Ferreira

Post Author: Agencia de Noticias Uniceub

Professores e estudantes do curso de jornalismo construindo um projeto de extensão para promover práticas e repensar rotinas de produção