Libertadores: Flamengo goleia Defensa Y Justicia em Brasília e vai às quartas

Diante de torcida pela primeira vez desde 11 de março de 2020, quando jogou contra o Barcelona de Guayaquil (EQU), no Rio de Janeiro, o Flamengo goleou o Defensa y Justicia (ARG), nesta quarta (21), no Mané Garrincha, em Brasília, por 4 a 1, pelo jogo de volta das oitavas de final da Copa Libertadores.

O clube carioca, que havia ganhado o primeiro confronto na Argentina por 1 a 0 com gol de Michael, dessa vez contou com os gols de Rodrigo Caio, Arrascaeta e Vitinho (2). Dessa forma, o rubro-negro se classificou para a próxima fase da competição continental, e agora aguarda o resultado entre Internacional e Olimpia para conhecer seu adversário. O público pagante foi de 5.518 pessoas e renda de R$ 984,4 mil.

Flamengo no ataque

Desde o começo da partida, o atacante Bruno Henrique, o principal destaque de toda a primeira etapa, e que voltava de lesão na coxa, mostrou porque é querido pelos torcedores. Ele protagonizou pelo menos três jogadas individuais pelo lado esquerdo do ataque flamenguista que inflamaram os rubro-negros presentes.

Rodrigo Caio comemora primeiro gol da partida. Foto: Alexandre Vidal – Flamengo – Divulgação


Foi por uma dessas jogadas pela linha de fundo que saiu um escanteio decisivo. Coincidentemente, o zagueiro Rodrigo Caio, que também voltava de lesão na coxa, foi quem fez a primeira alegria dos flamenguistas na noite desta quarta. O gol saiu aos 8 minutos de partida após escanteio batido por Everton Ribeiro. Ele subiu, no meio da zaga da equipe argentina, para testar a bola para o fundo da rede, abrir o marcador e, assim, ampliar a vantagem do Flamengo para 2 a 0 no placar agregado.

Dez minutos depois, Bruno Henrique foi novamente bem pela esquerda e cruzou para Gabriel Barbosa que quase ampliou, mas esbarrou em importante defesa do goleiro Unsain. Na sequência, depois de falta sofrida por Gabigol pela ala esquerda, Arrascaeta cobrou no capricho e, dessa vez, foi o travessão que salvou os argentinos. 


Empate inesperado

 

Apesar da superioridade do Flamengo no primeiro tempo e de toda a empolgação da torcida, um lance inusitado levou ao empate. Por volta dos 39 minutos, o meia Diego atrasou a bola para o goleiro Diego Alves, Loaiza conseguiu bloquear a saída de jogo e a bola entrou. A partida foi para o intervalo com um surpreendente 1 a 1.

 

Segundo Tempo

 

No início da etapa decisiva, o Flamengo voltou um pouco mais acuado em relação à postura ofensiva do primeiro tempo. A temperatura do jogo caiu até o atacante Michael entrar, aos 18 minutos, no lugar de Everton Ribeiro. Aos 22 minutos, ele acertou o travessão e, no rebote, a bola sobrou para Arrascaeta escorar de cabeça para recolocar o Flamengo à frente no marcador.  

 

Depois do gol, o jogo tomou mais forma de Libertadores. O ritmo diminuiu e as disputas por cada bola se tornaram gradativamente mais acirradas. Por fim, a partir de outra substituição notória do técnico Renato Gaúcho, Vitinho entrou no lugar de Bruno Henrique e garantiu a vitória do Mengão com dois gols nos últimos dez minutos do confronto.

 


O público de volta



Na chegada ao jogo da volta do público aos estádios, parte dos torcedores estava utilizando a máscara. Os que andavam sem ou com ela abaixada na região do pescoço, argumentavam estarem torcendo, tirando fotos e encontrarem-se entre pessoas que convivem cotidianamente ou sozinhos. Por sua vez, o clima da torcida nos arredores do Mané Garrincha não era o mesmo de uma partida de futebol tradicional em Brasília, porém, os adeptos presentes fizeram questão de mostrar que o sentimento pelo clube de coração permanece vivo.

Lucas Vitor, 24, membro da Urubuzada, torcida organizada do Flamengo, disse antes do jogo começar que a emoção tomou conta desde o dia em que a partida foi confirmada na capital federal. Segundo ele, sendo o desfecho positivo ou não, a oportunidade de ver seu time do coração jogar no estádio novamente é única. “Estou há mais de um ano sem ir ao estádio, sem assistir a um jogo do meu time. Iremos viver o hoje como se fosse o último de nossas vidas”, exaltou.

Por outra perspectiva, o estudante de medicina, Renato de Lima, 20, já planejava como reagiria caso o Flamengo marcasse gol. “Se acontecer, eu vou correr para o meu pai, abraçá-lo e depois voltar para o meu lugar. Acho que não tem problema. O importante é não aglomerar com pessoas que você não conhece, tanto dentro quanto fora do estádio”, reforçou o torcedor.

O último jogo com público no Mané Garrincha havia sido na Supercopa do Brasil de 2020, quando o Flamengo bateu o Athletico-PR por 3 a 0. Deu certo de novo.

Por Thiago Quint (repórter credenciado pela Conmebol)*
* Cobertura em tempo real
Supervisão de Luiz Claudio Ferreira

Post Author: Agencia de Noticias Uniceub

Professores e estudantes do curso de jornalismo construindo um projeto de extensão para promover práticas e repensar rotinas de produção