Looney Tunes e LeBron James unem forças em “Space Jam: Um Novo Legado”

O filme Space Jam: Um Novo Legado entra em cartaz nos cinemas nesta quinta-feira, dia 15, e é a sequência do longa que marcou gerações, Space Jam: O Jogo do Século, estrelado em 1996 pelo lendário Michael Jordan, ao lado de Pernalonga. Na nova versão, dirigida por Malcolm D. Lee, que não é diretamente uma continuação da anterior, o astro da vez é LeBron James, jogador do Los Angeles Lakers, atual campeão da NBA e considerado como um dos melhores de todos os tempos da modalidade.

Confira o trailer oficial

 

Em Um Novo Legado, o vilão Al G. Ritmo (Don Cheadle), que é um algoritmo responsável pelas ideias da Warner Bros, busca reconhecimento pelo seu trabalho, e, para isso, abduz “King” James e seu filho, Dom (Cedric Jones), para os servidores do estúdio, onde se enfrentam em um jogo de basquete valendo o garoto. Enquanto o time da inteligência artificial conta com os craques da bola laranja Damian Lillard, Anthony Davis, Klay Thompson, Diana Taurasi e Nneka Ogwumike, atletas da NBA e da WNBA, LeBron tem Pernalonga e os Looney Tunes ao seu lado para se reencontrar com seu filho e retornar a sua família.

Para lembrar

A premissa principal é a mesma do primeiro filme: um jogador renomado junto dos personagens animados para um jogo de basquete contra um time formidável. Entretanto, na primeira obra, os Looney Tunes são os protagonistas e Jordan entra apenas como coadjuvante, o que ajuda a disfarçar o fato dele não ser um ator profissional, além de que o contraste entre seu jeito sério e a animação dos personagens é uma relação divertida. Já no de 2021, LeBron é o centro da trama, principalmente devido ao seu dilema familiar, o que o expõe demais, mesmo lidando bem com as câmeras, e deixa os desenhos animados em segundo plano.

A dupla da vez em Space Jam: Um Novo Legado, é LeBron James e Pernalonga (Imagem: Warner Bros/Divulgação)

A versão mais recente tenta trazer uma “evolução” dos aspectos que foram criticados no primeiro longa. Em especial, a retratação de Lola Bunny, que desta vez é muito mais acertada, escapando da sexualização excessiva feita em 1996. Além dela, outros personagens também foram alterados. Pepe Le Pew, acusado de incentivar o machismo, assédio e a cultura do estupro, foi descartado da obra; Ligeirinho foi adaptado, após falas de que era um esteriótipo mexicano; e a dupla Coyote e Papa-Léguas, criticados pela violência extrema, estavam mais “na paz”.

Basquete

O principal fator positivo do filme são as referências e easter eggs da cultura pop, que estão presentes na maior parte do tempo. LeBron e Pernalonga passam por diversos universos de franquias pertencentes à Warner Bros, uma homenagem do estúdio para si mesmo, como Harry Potter, Game of Thrones, DC Comics, Matrix, Rick and Morty e muito mais. Mas as referências não param por aí. Também são recorrentes alguns momentos marcantes do mundo do basquete e memórias do primeiro filme. Até por isso, cria-se uma expectativa para que Michael Jordan apareça, e ele de fato dá as caras, mas não o ex-jogador que todos queriam ver, e sim o ator, Michael B. Jordan, que protagoniza uma das melhores cenas do filme.

LeBron e Lola Bunny refazem uma ponte-aérea marcante protagonizada originalmente pelo próprio jogador e Dwayne Wade nos tempos de Miami Heat (Imagem: Warner Bros/Divulgação)

De maneira geral, o filme desperta o público com  cor, alto astral, alterna bem entre o 2D e o 3D, têm piadas tanto para os mais novos quanto para os mais velhos, e traz muita nostalgia para os fãs. Porém, o foco em LeBron tira o holofote dos Looney Tunes, o que faz com que o filme perca sua melhor parte, que é o tradicional grupo de desenho. Além disso, o dilema familiar do jogador também não é tão convincente, já que ele e seu filho não passam ao público o carisma necessário da relação.

Nostalgia

Ainda assim, o longa entrega boas risadas e é um show de referências da infância passada de uns e presente de outros. Para os fãs dos Looney Tunes, é bom ver os famosos personagens de volta, e de quebra, os fãs de basquete ainda ganham mais um argumento para fomentar o debate entre quem é melhor, LeBron James ou Michael Jordan. Mas, assim como o dilema entre os jogadores, os dois filmes devem ser menos comparados entre si e mais apreciados (mesmo que isso seja difícil inicialmente), pois cada um é bom na sua própria maneira. No mais, na voz de Gaguinho: “isso é tudo, pessoal!”.

Em dado momento, King James e Pernalonga aparecem no formato 2D, lembrando o formato original do desenho (Imagem: Warner Bros/Divulgação)

Ficha Técnica

Elenco: LeBron James (LeBron James); Don Cheadle (Al G. Ritmo); Cedric Joe (Dom James); Sonequa Martin-Green (Kamiyah James); Ceyair J. Wright (Darius James); Jeff Bergman (vozes de Pernalonga, Frajola e Frangolino); Zendaya (voz de Lola Bunny); Eric Bauza (vozes de Patolino e Marvin, o Marciano); Bob Bergen (vozes de Piu-piu e Gaguinho); Gabriel Iglesias (voz de Ligeirinho); Candi Milo (voz de Vovó)

Roteiro: Keenan Coogler, Terence Nance, Juel Taylor, Tony Rettenmaier, Jesse Gordon e Celeste Ballard

Direção: Malcolm D. Lee

Duração: 1 hora e 56 minutos

Ano: 2021

Por Arthur Ribeiro*
*O repórter assistiu à pré-estreia a convite da Espaço/Z

Post Author: Agencia de Noticias Uniceub

Professores e estudantes do curso de jornalismo construindo um projeto de extensão para promover práticas e repensar rotinas de produção