NBB: Flamengo toma susto mas garante vitória no fim com grande atuação de Yago

Nesta terça-feira (22), o Flamengo venceu o KTO/Caxias do Sul por 80 a 76, em partida válida pela sétima rodada do Novo Basquete Brasil (NBB), no ginásio da ASCEB, em Brasília. O jogo foi o último a ser realizado na sede da capital federal durante o primeiro turno da competição, que fará uma pausa para o Natal. Era esperado que o líder, Flamengo, tivesse tranquilidade para vencer o lanterna, Caxias, mas o que se viu em quadra foi diferente. Em confronto decidido apenas nos minutos finais, os nomes da partida foram Yago, do rubro-negro carioca, que anotou 24 pontos e 7 assistências, apoiado por Olivinha, com 19 pontos e 12 rebotes. Do lado dos caxienses, o ala Eddy, contribuindo com 20 pontos e 11 rebotes, e o ala-pivô Antônio, com 17 pontos e 10 rebotes, alcançaram um duplo-duplo e foram os destaques.

Yago, do Flamengo, foi o nome do jogo (Foto: Arthur Ribeiro)

O jogo

Sem seu principal jogador, Túlio da Silva, que, por ser emprestado do Flamengo e não poder jogar contra o clube detentor de seus direitos, teve de assistir a partida da arquibancada, o Caxias começou no small ball (sem um pivô de ofício) e trabalhando coletivamente, com muita movimentação, troca de passes e bloqueios entre os jogadores sem a bola, com sucesso, comandado por Nico e Pedro Mendonça, para abrir vantagem na liderança logo cedo. Os cariocas, por sua vez, no ritmo veloz de Yago e na energia de Olivinha, conseguiram capitalizar as bolas do perímetro (4/8) que os mantiveram na partida, e, após os adversários diminuírem a intensidade, consegue encostar no placar, que marcava 21 a 18 para o Caxias ao estouro do cronômetro.

No segundo quarto, a toada da partida foi por parte das estratégias dos técnicos de cada lado. Os caxienses, do treinador Rodrigo Barbosa, seguiram no uso do small-ball, com jogadores mais ágeis e rápidos, visando minar o dominante pivô adversário, Hettsheimeir, que teria dificuldade na marcação e sequer jogou no período, além de atuar por apenas 5 minutos no anterior. Gustavo Conti, técnico do Flamengo, fez o jogo passar mais por Mineiro, que, por ser alto, forte e ágil, conseguiu se aproveitar dos mismatches criados através da movimentação e trocas ofensivas do rubro-negro. Entretanto, os cariocas pareciam não se encontrar bem em quadra, com Chuzito sempre precisando de orientações defensivas da comissão técnica e Balbi esbravejando com os companheiros pedindo mais comunicação. Disputado e com os times bem encaixados, o quarto teve a parcial empatada em 21 a 21, que foi para o intervalo com o Caxias na frente por 42 a 39.

O terceiro período começou novamente com a equipe do Sul bem, muitos rebotes ofensivos que propiciaram segundas chances ao time. Porém, o Flamengo fez uma marcação pressão na quadra do adversário e depois em zona 3-2 bem encaixada, conseguindo frear o jogo coletivo do Caxias. Por sua vez, os caxienses continuaram anulando Hettsheimer, que era o cestinha do rubro-negro na temporada mas estava zerado na partida até então, praticamente nulo em quadra, já que nem nos rebotes estava conseguindo ter a dominância habitual. Entre as defesas ferrenhas e ataques criativos de ambos os lados, Eddy acerta arremesso de três de muito longe nos últimos segundos, que faz com que o Caxias passe a frente na parcial do quarto (19 a 18) e adentre o período final com vantagem de 61 a 57.

Surpreendido pela proposta de jogo coletivo do adversário, que em outras partidas era muito dependente de Túlio da Silva, desfalque no jogo, o Flamengo começa a dar suas próprias cartas e envolver mais Olivinha e Hettsheimeir no ataque, o que surte efeito quase imediato de melhora na equipe. Nos minutos decisivos, entra a figura de Yago, que na defesa força erros de Eugeniusz, armador do Caxias, e no ataque sua velocidade não é párea para os defensores adversários, anotando 9 pontos no período. Com a junção dos fatores de altura para dominar os rebotes, marcação encaixada e talento, o Flamengo finalmente retoma a dianteira no placar, desmoraliza o Caxias, que cai na pilha e comete muitas faltas, gerando reclamação dos jogadores caxienses, e ajuda o rubro-negro a apenas controlar o ritmo e se encaminhar para a 12ª vitória na temporada.

Pós jogo

Apesar da derrota sem seu principal jogador, o Caxias mostrou garra e um jogo coletivo bons o suficiente para competir até os últimos lances contra um adversário de muita qualidade e talento. Com Túlio de volta e uma atuação destacada dos demais jogadores como foi nesta terça, o Caxias pode finalmente entrar nos eixos e sair da lanterna do NBB. O Flamengo, mesmo com mais dificuldades do que o esperado, apresentou muita variedade de estilos de jogo conforme foi sendo colocado nas situações. Quando o small ball adversário tirava Hettsheimeir de quadra, Léo Demétrio, Olivinha e Mineiro ajudavam com sua altura e mobilidade, em outros momentos, a utilização de Balbi e Yago juntos se complementando na armação, e também os diversos estilos de marcação. Com tanto talento, qualidade e variedade, o rubro-negro continua mostrando para todos o quão perigoso é e que irá brigar por todos os títulos que disputa.

Próximos jogos

Após pausa para o Natal, o líder Flamengo volta às quadras no dia 28/12, contra o Mogi, às 11:00, no Morumbi, com transmissão no DANZ. O Caxias do Sul terá um descanso maior, voltando a atuar apenas no próximo ano, no dia 08/01, no Ginásio Wlamir Marques (SP) , contra o Pato Basquete, às 14:30, porém o jogo não terá transmissão.

Por Arthur Ribeiro

Post Author: Agencia de Noticias Uniceub

Professores e estudantes do curso de jornalismo construindo um projeto de extensão para promover práticas e repensar rotinas de produção