Jornalista com podcast selecionado pelo Pulitzer defende “humanização do relato”

A jornalista brasileira Mara Régia teve, nesta semana, um podcast (sobre ameaça ambiental contra abelhas polinizadoras em Belterra-PA) selecionado pelo Pulitzer Center como uma das principais histórias do ano de 2020. Ela, que é carioca e radicada em Brasília, tem uma história ligada ao jornalismo ambiental e à Amazônia de mais de quatro décadas.

“A humildade em ouvir proporciona a humanização do relato de quem vive ou viveu aquilo, faz história ao contar sua própria vida. É uma posição privilegiada”, disse Mara Regia em evento acadêmico Encuca, na terça (15/12), no Centro Universitário de Brasília.

A jornalista defende que o veículo rádio está a serviço de alertar sobre as problemáticas ambientais. Ele enfatiza que o poder da comunicação auditiva acompanhada de  relatos pessoais, investigação e  informação em dados e fontes oficiais, podem gerar na vida de toda uma população local ou nacional.

“A democracia que vive dentro do jornalismo é um santo ofício, como também um sacrifício, mas de real serviço de responsabilidade pública”, enfatizou a jornalista Mara Régia no evento. Ela entende que a apuração deve levar em conta que o comunicador deve ser alguém disposto a conhecer o lugar, as pessoas, as culturas e os costumes, sem precisar expor nitidamente sua função e serviço.

Ela, que também recebeu o Prêmio Chico Mendes de Meio Ambiente, busca trazer a público as questões delicadas que envolvem o meio ambiente, cidadania e democracia. Ela ressalta que é o jornalismo o grande porta-voz para promover uma possível e real mudança no cotidiano das pessoas que vivem diretamente com a natureza, além de oferecer um ofício salvador que pode libertá-las e protegê-las. Porém, isso só pode ser realizado a partir de um jornalismo que se compromete em estabelecer um vínculo de amizade com o que será reportado, de entrega e escuta humilde.

A jornalista é profissional da Rádio Nacional, da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), onde dirige o programa Viva Maria. Em paralelo, produziu a reportagem sobre o desaparecimento de abelhas e outros polinizadores no oeste do Pará. A grande reportagem ‘A morte dos polinizadores’, publicada por veículos como BBC e Le Monde Diplomatique, contém 17 páginas, pode ser lida no portal Amazônia Latitude e também ouvida nas plataformas digitais. São três episódios de podcasts: “Desinformação desafia o controle do uso de agrotóxicos”, “Os Jandaíras contra a extinção” e “Belterra: colonização devastadora”.

A reportagem narra a vida de João Batista Ferreira, conhecido popularmente como João do Mel, por ter em sua chácara em Belterra, no Oeste do Pará, um negócio de meliponicultura, que é o cultivo de abelhas sem ferrão para a produção e comercialização de mel na região. No entanto, a principal problemática dessa narrativa é o grande extermínio desses animais devido à larga escala do uso de agrotóxicos para a expansão dos plantios de soja.

“Eu visitei vários produtores, contei com a colaboração de pesquisadores que me confirmaram o impacto dos agrotóxicos na vida das colmeias. Ver tudo isso, além do despreparo dos produtores rurais e o desamparo para com eles, me deixou muito impactada, a situação é dramática”, afirmou Mara Régia. A reportagem tem  58 horas totais de gravação e contou com a participação da jornalista Elizabeth Oliveira, que analisou e pesquisou a geografia do lugar e informações científicas.

Podcast

Ainda no evento, a jornalista Ana Bonomi destacou a realização  de episódios sobre o cerrado, com a parceria da WWF-Brasil e da produtora Trovão Mídia, especializada em podcasts narrativos. Mara Régia foi a locutora dos episódios. Cada podcast abordou um aspecto do bioma cerrado: da produção de água a medicamentos. A gravação e o lançamento ocorreram durante o isolamento social e os bastidores da produção e da locução foram o assunto de Ana durante a mesa. Ao todo são 10 episódios com locução de Mara Régia. Os episódios estão disponíveis no site Cerrados.

“Infinitamente mais barato, com um cronograma, veiculação e disseminação rápida. Você tem também roteiros e leituras a sua disposição. Além do mais, o impacto em só ouvir alguém narrando um acontecimento ou história gera mais emoção, ao contrário quando se escuta e assiste simultaneamente”, acrescentou Ana Bonomi.

Estudantes de jornalismo João Paulo de Brito e Sara Meneses destacaram a necessidade de pesquisa e produção de conteúdos sobre o tema. O universitário realiza da pesquisa de iniciação científica sobre podcasting, ciência e jornalismo científico sobre o meio ambiente. Com a amiga Sara, desenvolveu o podcast Foco no Cerrado, cujos cinco episódios abordam os efeitos da seca para os seres humanos e os animais e para a produção de pequenos produtores rurais.

Confira a conversa sobre jornalismo ambiental

O III EnCUCA 2020 é um evento que reúne o III Simpósio Internacional de Pesquisa e o XVIII Encontro de Iniciação Científica do Centro Universitário de Brasília (CEUB), idealizado pela diretoria acadêmica e pela assessoria de pós-graduação e pesquisa da universidade. O evento tem como objetivo promover e divulgar os resultados das pesquisas desenvolvidas pelo corpo docente e discente da instituição, além de promover e estabelecer um fórum de discussão e de intercâmbios dos projetos, dos resultados de investigação e das experiências científicas em diversas áreas do conhecimento.

Por Paloma Castro

Supervisão de Mônica Prado e Luiz Claudio Ferreira

Post Author: Agencia de Noticias Uniceub

Professores e estudantes do curso de jornalismo construindo um projeto de extensão para promover práticas e repensar rotinas de produção