Escolas e faculdades devem abraçar os e-sports, diz especialista

O mestre em ciência e design de jogos Rick Menasce afirma que os e-sports devem ter espaço aberto nas escolas e nas faculdades. Ele foi responsável pela criação do programa de eSports na faculdade em que estudava nos Estados Unidos e, durante a palestra, abordou os benefícios que os e-sports podem garantir às instituições e aos alunos. Ele esteve na semana passada no evento Play Estudantil, que teve parceria do UniCEUB.

Saiba mais sobre jogos eletrônicos

Inicialmente, Menasce apontou uma visão  macro, indicando que os jogos representam um artefato cultural e antecedem a cultura, relacionando o ato de jogar aos animais que, desde sempre, brincam entre si. Explicou, também, que atualmente vivemos em um mundo digital e que os eSports são nativos disso “Por que tirar os alunos desse mundo digital e voltar pro analógico?”, questiona. 

Além disso, o palestrante diz que os os esportes eletrônicos representam uma revolução tecnológica e que seria um desserviço não colocar a modalidade nas instituições.

“Os esportes tradicionais vêm evoluindo e com a tecnologia é natural que virem digitais também”, indica.

 

Em seguida, apresentando um diagrama desenvolvido por ele mesmo, explicou a importância da inserção dos eSports nas instituições de ensino.

O primeiro pilar é a competição, que ajuda os jovens a desenvolverem habilidades como trabalho em equipe, criatividade e comunicação ágil, presente no mundo atual. “Todas são transferíveis para o mundo real”, destaca.

 

Para ele, o segundo pilar é a educação, em que os jogos são usados como ferramentas de ensino e desenvolvimento de interesse no aprendizado. 

A junção desses dois pilares ajuda a fortalecer as habilidades socioemocionais, como resiliência, empatia e cidadania digital 

“Não existem barreiras físicas nos eSports, o que torna um ambiente propício para inclusão e diversidade”. 

O quarto pilar para ele é a carreira, onde há a capacitação dos profissionais que se interessam pelo assunto. “A paixão só te leva até certo ponto, a partir daí é preciso estar capacitado” diz o palestrante. Dentro disso, apresenta as diversas profissões que podem atuar nos eSports.

Por fim, o pilar da profissionalização, voltado para quem realmente quer se tornar um jogador de esportes eletrônicos. Para Rick, a carreira junto à educação ajuda a estabelecer experiências reais de mercado.

Na última etapa da palestra, Rick indica que trazer a modalidade dos eSports para as instituições de ensino é combater, através dos hábitos de jogos saudáveis, estruturados e controlados, os problemas atuais, como questões de vício nos jogos, jogos violentos e, ainda, o que precisa ser melhorado quanto a diversidade e inclusão.

O apresentador do evento, Igor Holanda, diz que acredita no preconceito por parte dos pais em relação aos jogos eletrônicos e Rick responde dizendo que a escola pode participar tirando as dúvidas dos pais ou os estimulando a conversarem com os seus filhos, a fim de saber se o jogo realmente é um problema.

Por Rayssa Loreen

Supervisão de Luiz Claudio Ferreira

Post Author: Agencia de Noticias Uniceub

Professores e estudantes do curso de jornalismo construindo um projeto de extensão para promover práticas e repensar rotinas de produção