Coronavírus nas aldeias: pesquisadora indígena lamenta morte de anciões na Amazônia

“Infelizmente nós estamos perdendo muitos anciões. E isso tem nos afetado muito, porque, culturalmente, nossos anciões representam os saberes. Eles são detentores de uma cultura milenar, de uma cultura que precisa ser passada de geração em geração. A cada vez que um ancião morre é como se alguém da nossa família morresse. Eu sinto como se estivesse perdendo um pai ou uma mãe”. O testemunho é da geógrafa Márcia Kambeba, que vive em Castanhal (PA), sobre as mortes de lideranças indígenas em todo país.

Leia mais sobre Marcia Kambeba

Leia mais sobre questões indígenas

De acordo com Márcia Kambeba, o Covid também tem afetado financeiramente as comunidades. “Muitas comunidades vivem do turismo e muitos indígenas vivem dos artesanatos vendidos nas cidades. Outro ponto é a alimentação dessas pessoas, a caça se tornou difícil, já que as pessoas doentes não tem força para caçar ou pescar.”

A pesquisadora, que desenvolve trabalhos de valorização da cultura indígena no Brasil e no exterior, analisa que há uma falta de reconhecimento da cidadania dos povos e da cultura indígena no país. “A cada vez que eu saio do Brasil, vejo como os outros países compreendem melhor, que o próprio brasileiro, a importância dos povos indígenas em seu território”.

Márcia Kambeba, mestre em geografia. Foto: Facebook da pesquisadora /Arquivo pessoal

Outro desconhecimento, na opinião da mestre em geografia é com relação ao respeito aos biomas, e ao equilíbrio ambiental e climático.  “Brasil precisa entender e valorizar o pouquinho de sangue indígena que corre nas suas veias. o Brasil precisa sentir orgulho de falar que faz parte de um dos países com o maior número de indígenas e de línguas indígenas. Nós, brasileiros, não queremos aprender a falar tupi, muito menos aruaque, mas lá fora eles tem interesse. A verdade é que a gente só dá valor como brasileiro quando a gente perde, perde pro povo lá de fora.”

Diferença de números

Segundo dados coletados pelo Comitê Nacional pela Vida e Memória Indígena, em todo Brasil cerca de 12.048 indígenas foram contaminados com o novo Coronavírus e o número de óbitos já chega a 446. Em contrapartida, segundo números oficiais da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), os casos são 8098 e 184 óbitos. 

Bancos de apoio à sobrevivência indígena.

Essa diferença de 3950 casos e 262 mortes se deve, segundo a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), ao critério de contabilização utilizado pela Secretaria. “A Sesai, vinculada ao Ministério da Saúde é responsável por contabilizar os casos de Covid-19 entre indígenas, tem um critério que, para nós é excludente: apenas registram casos de indígenas aldeados – ou seja, aqueles que estão em territórios tradicionais. Indígenas que moram em contexto urbano e são atendidos pelo SUS não entram na conta da Sesai.”

Além de excluir os indígenas que moram fora das comunidades, a Sesai, ainda segundo a Apib, também deixa de lado os povos que não vivem em terras demarcadas. “Outro problema grave é a ausência de dados sobre indígenas que vivem fora de terras indígenas homologadas, o que inclui tanto citadinos como populações que guardam a finalização do longo processo de demarcação de suas terras.”

No momento, de acordo com o Comitê, os povos indígenas apresentam maior vulnerabilidade frente a pandemia, já que, as condições sociais, econômicas e de saúde são muito diferentes dos não-indígenas. “Os povos indígenas são mais vulneráveis a epidemias em função de condições sociais, econômicas e de saúde piores do que as dos não indígenas, o que amplifica o potencial de disseminação de doenças. Condições particulares afetam essas populações, como a dificuldade de acesso aos serviços de saúde, seja pela distância geográfica, como pela indisponibilidade ou insuficiência de equipes de saúde. O subsistema do Sistema único de saúde criado para atender a saúde indígena sofre com a falta de estrutura e de recursos para tratamento de complicações mais severas, como a covid-19.”

Em nota, a Sesai negou que exista subnotificação dos casos e óbitos, já que, os indígenas que vivem em centros urbanos devem ser contabilizados pelas secretarias estaduais e municipais, não constando no levantamento de dados realizado por eles. A secretaria ainda afirma que desde janeiro vem elaborando documentos técnicos para orientar os povos, gestores e colaboradores sobre medidas de prevenção e de primeiros atendimentos em casos de Covid-19 e que já foram enviados 789 mil insumos para 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI) para auxiliar no combate ao vírus.

Por Geovanna Bispo

Supervisão Luiz Cláudio Ferreira

Foto: Marcelo Camargo – Agência Brasil

Post Author: Agencia de Noticias Uniceub

Professores e estudantes do curso de jornalismo construindo um projeto de extensão para promover práticas e repensar rotinas de produção