Cine Drive-In: conheça os ajustes feitos para que houvesse reabertura

Com os cinemas de shoppings fechados, há uma opção para assistir a filmes em tela grande. Aliás, de uma forma que pode atrair diferentes públicos. Na programação, atrações para crianças, famílias inteiras, e também para uma saída romântica. O Cine Drive-in, na Asa Norte, viabiliza matar as saudades da Sétima Arte.

A proprietária do Marta Fagundes, sócio administrativa do Cine Drive-In, motivada pela notícia de que nos Estados Unidos os cinemas em formato Drive-In  estavam funcionando regularmente, solicitou através de um Ofício a Casa Civil a reabertura do cinema, que se encontrava fechado há 40 dias. Assim o decreto da  abertura do cinema foi autorizado pelo governador Ibaneis Rocha e publicado no Diário Oficial.  

Em função da pandemia da COVID-19, adaptações tiveram de ser feitas para que a abertura fosse realizada. Desta forma o estabelecimento reduziu a sua capacidade de 400 veículos para 200, devido ao distanciamento de dois metros previsto no decreto, o que equivale a uma vaga. “Solicitamos que as pessoas fiquem dentro de seus carros e que ao se dirigirem aos sanitários usem máscaras, e só será liberada uma pessoa por vez no sanitário.Tivemos uma procura maior por ser o único cinema em funcionamento”, informa Marta. 

A programação também sofreu algumas modificações, os lançamentos foram suspensos. A programação fornecida são os filmes de 2019 e 2020  já lançados.  O horário permanece o mesmo, três sessões por noite todos os dias. Segundo Fagundes, o público está aceitando muito bem essas adaptações feitas para que Cine Drive-in pudesse funcionar.  

Aos olhos dos telespectadores

Estudante de Pedagogia, Jennifer de Oliveira, de 22 anos, nunca tinha ido ao Cine Drive-In antes, e sua primeira experiência foi justamente durante a quarentena para comemorar o aniversário de seu namorado. A estudante relata que adorou a ideia da reabertura do cinema, pois durante a quarentena o número de atividades de lazer está reduzido. “Adoro cinema, e no conforto do carro é  melhor ainda. Como foi a primeira vez que fui, gostei e quero ir sempre”, conta Jennifer. 

Jennifer notou que o estabelecimento tomou algumas medidas protetivas devido a pandemia. “Todos os funcionários usavam máscaras e um deles oferecia álcool em gel. Lá dentro um funcionário pedia para abaixar o farol e estacionar uma vaga de distância de outro carro. A lanchonete não estava funcionando e para ir ao banheiro tinha que usar máscara”, expõe a estudante. 

Júlia Camargo, estudante de Design de Produto de 19 anos, já fora “inúmeras vezes” ao Cine Drive-In e diz ter notado bastante diferença. De acordo com a estudante, o uso da máscara não é  obrigatório dentro dos veículos, uma vez que todas as portas e janelas são mantidas fechadas; caso contrário o uso é obrigatório. Júlia também observou que o cinema lotou rapidamente, devido a distância exigida entre os carros. 

“Antes da pandemia, o clima do drive-in era bem diferente porque podíamos ver várias famílias com crianças se divertindo assistindo aos filmes, do lado de fora dos carros e montando grandes camas na parte do porta malas dos carros, para que coubessem todos bem aconchegantes. As pessoas andavam pelo espaço tranquilamente e todos se divertiam.  Dessa última vez, foi uma experiência totalmente diferente. Aquele clima aconchegante que faz lembrar cidades pequenas foi embora e parece que tudo ficou mais frio”, descreve a estudante.

Júlia Camargo diz que ficou muito feliz por ter a possibilidade de ir ao Cine Drive-in, posto que os ajustes foram feitos para que não houvesse risco de contaminação com o novo coronavírus. “Mesmo que quiséssemos o “antigo drive-in” entendemos que essas restrições são apenas para a segurança e bem estar de todos e para que, futuramente, possamos todos voltar ao drive-in e experimentar novamente aquele clima de que sentimos falta”, relata esperançosa. 

Para acompanhar a programação do cinema, consulte aqui

Por Beatriz Ramos

 

Post Author: Agencia de Noticias Uniceub

Professores e estudantes do curso de jornalismo construindo um projeto de extensão para promover práticas e repensar rotinas de produção