Especialistas explicam como as vitaminas D e C podem atuar para imunidade

Após estudo italiano sugerir que a vitamina D seria uma forma de tratamento e prevenção ao coronavírus ser divulgado e, dias depois, ser desmentido pelo próprio Ministério da Saúde brasileiro, especialistas, como a professora e nutricionista Dayanne da Costa, nos ajudam a entender sua importância para o organismo. “Devemos lembrar que o coronavírus ataca o sistema imunológico e que a vitamina D ajuda a reforçar esse sistema. Então é importante que consumamos alimentos que tenham essa vitamina”, explica a professora.

Ainda de acordo com a pesquisadora, a vitamina é facilmente adquirida por meio da alimentação, mas que a melhor forma continua sendo pela exposição à luz solar. “Os alimentos que contêm a vitamina são o atum, a sardinha, o salmão, o óleo de fígado de bacalhau, alguns queijos, cogumelos,ostras, leite, gema de ovo, fígado bovino. Porém, acredita-se que cerca de 80% seja pela ação da luz solar.”

Vale lembrar da orientação do horário, se expor entre às 10 até às 15 horas, apenas 20 minutos por dia.” Entretanto, a também nutricionista Alana Siqueira destaca que, para haver uma total absorção, dessa vitamina é preciso ter fígados e rins saudáveis. “Não basta pegar sol, é necessário que fígado e rins estejam em perfeito funcionamento para que a vitamina D produzida alcance sua forma ativa.” 

Alana Siqueira ainda afirma que quantidade ideal da vitamina varia de acordo com a necessidade da pessoa, mas que geralmente se encontra em um nível médio. “O ideal é avaliar nos exames e procurar manter seus níveis dessa vitamina entre 40 e 60ng/ml, exceto em casos específicos que precisam de níveis maiores, como em doenças autoimunes.”

Ainda assim, Dayanne alerta para a que haja uma orientação prévia sobre a suplementação. “O ideal não é que façamos suplementação sem orientação, mas, já que é algo que conseguimos obter por meio da alimentação, vale a pena.”

Vitamina C

Da mesma forma que a vitamina D, a Vitamina C ganhou grande popularidade por ser conhecida como uma “forma de combater a gripe”, como explica a nutricionista e professora Dayanne Costa. “Sabemos que os principais sintomas do coronavírus são tosse, febre e dificuldade para respirar. Assim, muitas pessoas acabam confundindo o covid-19 com uma simples gripe. Dessa forma, como existe essa associação da suplementação da vitamina C no intuito de evitar gripes, as pessoas acabam construindo essa relação”, afirma.

Assim, a nutricionista esclarece que uma alimentação equilibrada enseja o consumo de vitamina C para suprir a necessidade diária, mas não usando suplementos e sim com uma alimentação dentro do ideal. “Laranja, limão, morango e acerola são alimentos ricos nessa vitamina. Apenas com um suco de laranja conseguimos consumir a quantidade necessária diária de vitamina C.”

Por Geovanna Bispo e Nathalia Guimarães

Supervisão de Luiz Claudio Ferreira

Post Author: Agencia de Noticias Uniceub

Professores e estudantes do curso de jornalismo construindo um projeto de extensão para promover práticas e repensar rotinas de produção