Falta de fiscalização e desconhecimento ainda são desafios após 10 anos da Lei do Estágio, diz advogado

Após dez anos da publicação da Lei do Estágio,  ainda existem desafios a serem enfrentados.  Mas trouxe um marco legal que colabora para que o estudante tenha uma vida mais saudável em um campo de aprendizado. “A lei não permite que o órgão ou empresa explore o estudante”, explica o advogado especialista na área de trabalho, Christian Thomas Oncken. Para o profissional, no entanto, falta conhecimento da legislação tanto por parte de estudantes como por parte dos profissionais que irão supervisionar as atividades do estudante.  Outro desafio é que, segundo Oncken, falta fiscalização para conter abusos. Um dos maiores problemas relatados é, para ele, o desvio de função. Confira entrevista com o profissional  

  • A Lei 11.788, de 25 de Setembro de 2008 consegue proteger o estudante de sofrer exploração no ambiente de trabalho?

A Lei do estágio protege muito bem o estudante, pois cria-se um vínculo empregatício entre o estagiário e o empregador, garantindo direitos como carteira assinada, FGTS e INSS, ademais, a lei não permite que o órgão ou empresa explore o estudante fazendo-o exceder sua carga horária, sendo obrigatório um horário especial nos dias anteriores a provas (deve-se cumprir apenas metade da carga horária).

  • Quais são os principais desafios enfrentados por estagiários quando se trata do cumprimento da lei?

A falta de fiscalização. Não existe uma fiscalização eficaz no Brasil em relação aos contratos de estágio e o desconhecimento da lei dificulta o estudante requerer seus direitos na justiça em caso de abuso.

  • O senhor acha que deveria existir um piso mínimo para a definição da remuneração do estagiário?

Eu não concordo porque o estagiário não está apenas buscando a remuneração, mas uma chance de aprendizagem. Então, se houver uma limitação no tocante a oneração do salários, a diminuição das ofertas de vagas de estágio vai ser drástica.

  • Qual é a lei mais descumprida pelos órgãos ou empresas contratantes?

Desvio de função. Pois quando ocorre algo como falta de pagamento por exemplo, o estudante está muito bem respaldado pela lei, mas desvio de função, geralmente acontece de maneira sutil, logo, o estagiário deve reunir provas e entrar com uma ação trabalhista e esta possui o princípio da primazia da realidade que é o seguinte: a palavra do empregado vale mais que a do empregador. Com isso, a empresa deve comprovar que não há irregularidade.

  • Muitos estudantes não possuem condições de contratar um advogado particular, a defensoria pública atende bem esse tipo de caso? Qual é a melhor saída para o estudante?

Sim, a Defensoria Pública é a mais indicada para esse tipo de caso, porque geralmente, o estagiário é uma pessoa sem renda ou não possui uma família com renda suficiente para contratar um advogado particular.   

  • É possível recorrer à justiça em caso de irregularidade?

Seria uma contratação ilegal, porque teoricamente o vínculo deve existir,, tendo que estar ligado a uma entidade como o CIEE, com um contrato formalizado, caso isto venha ocorrer, o estudante deve recorrer à justiça trabalhista.

  • Você acha que ocorreram avanços significativos em relação à proteção do estudante após uma década de sua última publicação?  

Sim, essa lei viabilizou o estágio no Brasil. Antigamente, existia uma grande resistência das empresas em fazerem uma contratação e hoje, há um incentivo.

Por Ana Clara Avendaño

Supervisão de Luiz Claudio Ferreira

Post Author: Agencia de Noticias Uniceub

Professores e estudantes do curso de jornalismo construindo um projeto de extensão para promover práticas e repensar rotinas de produção

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *