Detentos fazem obra em presídio feminino do DF: bloco novo de visitação já está em funcionamento

A obra de 700 metros quadrados durou cinco meses e custou R$180 mil.  


Trinta detentos do Presídio da Papuda  que cumprem pena em regime semi-aberto ajudaram a erguer um bloco para os visitantes da penitenciária feminina do Gama, conhecida como colmeia. Para eles, a oportunidade foi um recomeço e trouxe novas perspectivas de vida. “Hoje eu consigo enxergar a vida com outra perspectiva, esta oportunidade que eu tô tendo aqui na Colmeia está sendo muito gratificante,  pois eu estou tendo a oportunidade de me ressocializar”, afirma o interno que está cumprindo pena há dois anos e oito meses.

Segundo ele,  a Colmeia é um lugar acolhedor “ Eu diria que aqui é o lugar mais humano do sistema penitenciário de Brasília, somos tratados como humanos e não como presos.”


A diretora da Penitenciária, Deuselita Pereira, afirma que a  sensação de ter o bloco novo e o galpão industrial funcionando é “a concretização de sonhos”. Para ela, esse é o caminho que as unidades do sistema prisional devem seguir “dar oportunidades para as internas tanto de trabalho quanto de estudo”.

Os servidores da Colmeia já realizam trabalhos com as internas, mas a diretora espera que com a inauguração do galpão as oportunidades sejam ampliadas.

Para o Secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Cristiano Barbosa Sampaio, o projeto que a direção do presídio feminino do Gama realiza é importante para o cumprimento dos direitos humanos. “As pessoas participam e realizam visitas recebendo um tratamento mais humanizado e com respeito  aos direitos dos trabalhadores.”

Segundo ele, o presídio feminino do Gama está entre uma das melhores unidades penitenciárias do Brasil . “Temos mais de 50% das mulheres que cumprem pena trabalhando e isso é uma média muito superior a nível nacional, um sistema penitenciário realmente diferenciado com a capacidade de reinserção social muito forte”, ressalta.

Projetos semelhantes aos  que fizeram da colmeia um lugar melhor para os detentos estão sendo implantados também na papuda segundo o secretário “A reativação de uma grande padaria para  que os presidiários possam trabalhar e a criação de mais de 3,2 mil vagas em obras em andamento.”

A contratação de novos agentes também está sendo efetuada, o secretário ressalta que na terça-feira (03/07) foi sancionado a lei que cria mais de 1,400 mil cargos de agentes de atividades penitenciárias. Segundo ele, essas ações “pretendem realmente melhorar cada vez mais, e gerar um sistema penitenciário realmente diferenciado no Brasil”.

A obra na área de visitação na penitenciária foi planejada através de uma parceria com professores e alunos de engenharia e arquitetura do Centro Universitário de Brasília (UniCEUB). A professora Maruska Bueno, coordenadora do projeto de extensão “Vale a pena”, responsável pela criação do projeto, defende que o principal ganho aos alunos é a prática da teoria em projetos humanos.  “Eles aprendem a engenharia e a relação com o outro. A humanização é a parte mais importante desse projeto”.

Por  Marília Sena com colaboração de Mariana Fraga 

Supervisão de Luiz Claudio Ferreira

Confira aqui matéria especial sobre a obra

Post Author: Agencia de Noticias Uniceub

Professores e estudantes do curso de jornalismo construindo um projeto de extensão para promover práticas e repensar rotinas de produção

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *