Mais mulheres nas urnas: expectativa é de 10 mil votos femininos a mais, segundo TSE

Foto: Senado Federal

Mais mulheres devem ir às urnas no pleito de outubro de 2018. Segundo estima o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), serão 10 mil votos femininos a mais, se comparado às eleições de 2014, quando 1,3 milhão mulheres se manifestaram. Em todo o país, são mais de 144 milhões de eleitores, dos quais 75.226.056 são mulheres. São 6,4 milhões a mais que o número de homens cadastrados na Justiça Eleitoral.

Historiador e cientista político, Antônio Barbosa justifica as estatísticas do TSE por um único motivo. “Mulheres representam mais de 50% da população brasileira, logo representam maioria do eleitorado”, esclarece.

A estudante de publicidade Alice Vieira, 18 anos, acredita que a maioria do eleitorado ser composto por mulher traz mais representatividade à população feminina. “No momento em que há muitas mulheres votando, há uma maior procura de representatividade feminina nos cargos de maior poder no país”, enaltece.

A professora de geografia Alexandra Carvalho, 43 anos, faz questão de votar todo ano eleitoral, entretanto, para ela, a população feminina tem que se conscientizar mais na escolha dos representantes políticos. “Ser maioria do eleitorado é uma conquista imensa. Há 82 anos a mulher não tinha esse direito. Contudo, sendo as mulheres maioria no eleitorado e o cenário político atual, podemos concluir que ainda há muita falta de informação e conscientização na escolha de nossos representantes”, problematiza.

Participação feminina

Mesmo com alto índice de participação eleitoral feminina, os números não param de crescer. Em meados de 2010, pesquisas do TSE mostraram que o voto feminino mal passava dos 900 mil no DF. Hoje, estatísticas do órgão eleitoral apontam que que as urnas eletrônicas computam mais de 1 milhão de votos femininos.

Gabriela Arruda

Sob supervisão de Isa Stacciarini 

Post Author: Agencia de Noticias Uniceub

Professores e estudantes do curso de jornalismo construindo um projeto de extensão para promover práticas e repensar rotinas de produção

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *