Como praticantes do candomblé no DF lidam com preconceitos

Quando era criança, Cynthia Byar Beckman Soares sentia vibrações de energias que ela desconhecia. Era uma sensação diferente, e que aos poucos lhe provocava medo. Hoje, aos 48 anos, ela entende o porquê. Como se sua vida estivesse já predestinada, ela encontrou as respostas que precisava no candomblé. “O centro é a minha casa. Foi […]